23 de julho de 2013

Rompendo com o hábito de*&%%MURMURAR *&%¨#


“E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor”. 1 Coríntios 10:10

Murmurar significa reclamar, maldizer, conceber mau juízo[1]. Reclamamos com instantaneidade, agradecemos com vagarosidade. A murmuração é o grande mal desta geração. Mas há algo de bom na murmuração, por incrível que pareça: ela denuncia a nossa distância de Deus. E como sintoma denunciante ela indica o alto grau do nosso descontentamento. Enfim, a murmuração torna evidentes as percepções ingratas que temos sobre as coisas e demonstra o quanto somos insatisfeitos. É necessário romper com esse péssimo hábito.

Nossa primeira atitude, em geral, é criticar o murmurador. Mas isso não basta. Antes de ser um chato murmurante, aquele que reclama está doente. Sofre de enfermidade da alma. É gente que não foi amada, valorizada e preenchida. Possui muitas lacunas emocionais e traumas, por isso não pode dar aquilo que não recebeu. Todo o passado volta à tona, geralmente, exteriorizado através de revolta verbal. Alguém o frustrou no passado. Talvez, seus pais disseram que não era bom o suficiente. Quiçá, não tenha recebido afeto satisfatório? Ou ainda, tenha sido alvo de muita ingratidão por parte daqueles que beneficiou um dia? Não sabemos os motivos ou a origem exata. Entretanto, é certo que você está doente e precisa de cura na alma. A murmuração é apenas um sintoma de um mal maior. É a conseqüência, não a causa. O murmurador sofre e através da falação coloca para fora seu sofrimento psíquico. Como todo enfermo, portanto, precisa ser cuidado.

O oposto da murmuração é o agradecimento. A alma grata está farta de amor. Por isso, a melhor maneira de lidar com o murmurador é amando-o ultra circunstancialmente e sendo agradecido. Ele é escravo das suas próprias algemas emocionais. Precisa ser amado para libertar-se. O amor lança fora o medo, inclusive aquele que nos afugenta do contentamento. Portanto, ao murmurador deve-se o amor. Pague o mal com o bem sempre que possível e você imunizará o doente com a vacina do amor e da gratidão.

O murmurador geralmente é arrogante. Os soberbos não têm lugar no coração de Deus. Lúcifer foi afastado de sua gloriosa presença por causa desse pecado (Ez 28:17). Deus resiste a soberba, mas dá graça aos humildes. Comumente, o murmurador tem a péssima mania de achar solução para todas as coisas. Considera-se perito em todos os assuntos. Valoriza mais a própria opinião que a dos outros. E olha para as pessoas de cima para baixo.

O murmurador comumente é ansioso. A ansiedade flagra nossa falta de confiança em Deus. Ela delata nossas percepções erradas e denuncia que as nossas expectativas não são as mesmas de Deus. Por isso, gera frustração. É inútil, pois nos leva a sofrer antes de as coisas ocorrerem; e depois também, quando acontecem. Faz-nos de bobo. Prega-nos uma peça. Alguém disse que “60% das coisas pelas quais ficamos ansiosos jamais acontecerão”. Não é estranho que pessoas murmuradoras estejam extremamente frustradas, depressivas e com baixa-estima. Ansiedade e murmuração são irmãs, pois ambas neutralizam nossa fé. A ansiedade mede o quanto não confiamos em Deus; a murmuração reflete o quanto estamos insatisfeitos com o que ele tem feito.

A cultura da murmuração. Além de servir como o diagnostico de alguém insatisfeito, a murmuração é também um traço cultural. Não é apenas um hábito pessoal, mas coletivo. Depende do ambiente. Um padrão comportamental que tem como código de ética a constante insatisfação. Geralmente o ambiente da murmuração é extremamente carente de fé, sabedoria e do conhecimento das Escrituras. Em família, escolas, empresas, igrejas ou qualquer outro lugar de ajuntamento onde essas virtudes não sejam ensinadas, a murmuração encontrará solo fértil para crescer e se alastrar. É necessário neutralizá-la imediatamente, durante e depois. Esta conduta degenerativa para todos os grupos sociais desagrega igrejas inteiras e até famílias. Não basta não alimentar a tradição da murmuração, é preciso também atacá-la fervorosamente. Afinal, uma pessoa de fé, cheia de sabedoria e do conhecimento das Escrituras não será alvo fácil desse espinhoso costume.

A murmuração não resolve nada e ainda piora as coisas. Ela reflete a distância a que as pessoas estão dos valores do Evangelho. É a insatisfação própria que gera o desejo de ajustar a vida criticando a dos outros. É parecida com a inveja, pois, de regra, surge eivada de comparações arrogantes. É como o sujeito que julga o político por ser político e não por ser corrupto, todavia almejaria estar no lugar dele – por considerar-se mais competente. Ou aquele que, por invejar a posição social de outrem o ataca com palavras depreciativas. Murmuração é veneno que se toma pensando que o outro vá morrer. É a fossa que cavamos para a nossa própria destruição. Definitivamente, vale a pena romper com o hábito de murmurar.





[1] Dicionário Aurélio Séc XXI.

20 de julho de 2013

Perdoe

“Se for possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens”. Romanos 12:18

Não há caminho mais certo para a libertação das doenças da alma que o perdão. Frequentemente nos vemos envolvidos em algum tipo de conflito relacional. Somos surpreendidos pelas pessoas que amamos quando ouvimos palavras de amargura e raiva. Nossa alma se abate quando somos alvos de fofocas, falsidade e mentira. Quem jamais sofreu algum tipo de palavra dura e amarga ou algum tipo de prejuízo por parte de alguém? Todos passamos por situações assim. Por isso, não é possível viver pacificado sem perdoar essas pessoas, tal como Deus nos perdoou. Vale a pena liberá-las das lembranças amargas que acumulamos. Se possível, procure a pessoa e converse francamente. Ore por ela e perdoe-a pela fé! "Jesus não morreu apenas para pagar pelos meus pecados contra Deus e as outras pessoas, mas também para pagar pelos pecados dos outros contra mim". Craig Hill 

"Aquele que não perdoa, destrói a ponte por onde ele mesmo tem de passar" George Heberth (citado no livro Maravilhosa Graça, de Philip Yancei)

Tenha os seguintes princípios em mente, ao perdoar:
a - Perdão é mandamento e não opção. Não tenho escolha, senão perdoar como Cristo me perdoou! 
b - Não tem haver com sentimento, mas com obediência à Sua Palavra. É, antes, uma decisão por fé!
c- Desate as amarras do passado e caminhe livre das feridas relacionais. Como disse Dale Gallowey: "Deixe que seus sonhos e nãos os remorsos controlem sua vida!"

Se você entende que alguém precisa dessa pequena reflexão, compartilhe. ‪#‎perdoe‬

ALMA ABATIDA? ESPERA EM DEUS.


As provações surgem e desaparecem, mas o cuidado de Deus é constante. Sei que muitas vezes você passa por adversidades e a sua alma fica abatida. A doença que chega, crise no casamento, problemas com filhos, desemprego, etc. Por mais que pareça, sua situação não reflete a ausência de Deus. Ele é soberano. Governa todos os detalhes da nossa história e nossa vida está em suas poderosas mãos. Ele não é um "deusinho" sádico, autoritário e que se diverte com as nossas mazelas. Deus assiste com cuidado a vida dos seus filhos, aqueles que foram chamados por ele, antes da fundação do mundo. Sua alma está abatida, mas Deus está trabalhando exatamente através dessas adversidades, forjando seu caráter e fazendo de você uma pessoa melhor. Como Elbert Hubbard, afirmou: "Deus não examinará você procurando medalhas, certificados ou diplomas, mas sim cicatrizes". O sofrimento serve para mostrar o quanto somos frágeis e, como asseverou C. S. Lewis no livro O problema do Sofrimento: "antecipa a miséria que todos um dia teremos de experimentar", ou seja, a morte. É uma denúncia ao pecado que trouxe miséria na história humana. Mas isso acabará um dia! Jesus Cristo derrotou todo sofrimento na cruz. O pecado, a morte e o sofrimento não estão totalmente destruídos ainda, mas serão definitivamente aniquilados da história (Ap 21:4). "Por que está abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu." Sl 42:11

16 de julho de 2013

Carta de um "bobo alegre"


“Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia”. Salmos 139:16

Olá meu(minha) filho(a),
Recebi a confirmação dos médicos que você está no ventre da sua mãe, por isso quero lhe dar as boas vindas. Recebo-o como um presente de Deus! Como ainda não sabemos o seu gênero, pois são apenas 6 semanas de gestação, permita-me tratá-lo no masculino. Está com o tamanho de uma ervilha agora. Seu coração bate forte. Ainda não há forma completa, mas pelo exame ultra som sabemos que você chegará em breve. Está saudável e pelo visto, muito bem acomodado nas entranhas amorosas de sua mãe.
Seu pai é um “bobo alegre” agora. Sua chegada virou meu mundo de ponta cabeça. Estou eufórico, alegre e com uma mistura de ansiedade e medo. Você mexeu comigo sem falar, ouvir ou pensar. Sou um homem mais completo por sua causa, desde a sua concepção. E este bobo que escreve, deseja deixar um registro desse momento histórico que preanuncia sua chegada. Antecipo este texto para que na idade oportuna você saiba como é amado, querido e desejado. Assim, também, há mais um motivo para eu alfabetizá-lo antes do período escolar.
Papai deseja que você seja fiel a Deus, em primeiro lugar. Ame-o com todo o seu coração. Não há razão melhor para sua existência. Para mim sua chegada foi uma agradável surpresa, embora Deus não seja surpreendido por nada. Você foi concebido na mente de Deus antes de chegar ao ventre da sua mãe. É fruto das nossas orações. Desejamos sua vinda. Pedimos a Deus que fizesse um milagre em nosso organismo; e ele o fez! Por isso, queremos cuidar de você com toda a dedicação e atenção necessárias, de modo que você compreenda que nasceu para a glória de Deus e deve fazer de tudo para honrá-lo. Não há motivo maior para sua chegada a este mundo tão desafiador. Viva para a glória de Deus, o Criador da vida.
Eu amo você com todo meu coração. Almejo ver o seu rosto, delinear seus cabelos e memorizar suas feições. Nutrirei sua mente com as Escrituras e seu coração com minhas orações a Deus. Serei um exemplo de hombridade e pedirei perdão, sempre que for necessário. Por favor, querido filho, lembre-me disso. Certamente precisarei.
Hoje, dia 15/07/2013, inauguro uma nova fase em nossa família. É a etapa em que você chega e muda os desfechos. A parte do espetáculo em que você promove festa e alegria. É o cenário em que faremos tudo e decidiremos sobre todas as coisas, pensando em você. Será difícil, mas Deus nunca nos deu uma dádiva que não fosse possível administrar. Por isso, cremos que o Senhor, que o teceu dentro do ventre de sua mãe, dará todas as condições necessárias para conduzi-lo no Caminho da vida eterna.
Seja bem vindo!
Amo você!

Thiago Gigo Pereira, papai