29 de janeiro de 2013

Sabedoria – eu preciso!



“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” – Romanos 11:33

Hoje tudo passa rápido e o sentido da vida se mostra tão superficial que a maioria das pessoas, se deseja algo, quase sempre tem a ver com emprego, dinheiro, casa, casamento, filhos e conforto. Isso tudo é bom e necessário, todavia a maior das carências é por sabedoria. Por isso, desejo que em 2013 tenhamos sabedoria para equilibrar e administrar todas as áreas de vida.

Precisamos de sabedoria
Somos a sociedade do conhecimento. Nunca tivemos tanta informação disponível. Basta uma busca simples no Google para perceber que temos informação sobre tudo. Nossa sociedade é conhecedora de todos os assuntos possíveis, graças ao desenvolvimento tecnológico. Estamos mergulhados num oceano de especialidades.
Somos a sociedade das especialidades. Sabemos demais. Um amigo meu me apelidou de Google, porque tenho a péssima mania de oferecer soluções para todas as situações. Conheci um professor que possuía o apelido de “enciclopédia ambulante” – não sem razão. Vivemos com pessoas assim todos os dias e que sabem um pouco de tudo. Veja no Facebook quantos filósofos das futilidades opinando sobre assuntos variados. Não há dúvidas, há muita informação disponível.
Todavia, informação e conhecimento não são fundamentais na vida. Ambas são importantes, mas há algo mais sublime e altaneiro: a sabedoria! temos muito conhecimento, mas pouca sabedoria. Possuímos muitas informações, porém pouca habilidade para aplicá-las a nosso favor. A internet tornou o acesso ao conhecimento globalizado. Somos detentores de uma enciclopédia cibernética à nossa disposição. Mas tudo isso se torna inútil se não utilizarmos com sabedoria. Sabedoria, sobrepuja o conhecimento, a experiência de vida, a quantidade de informações que coletamos. Sabedoria, precisamos dela!

Mas o que é sabedoria?
Sabedoria significa discernir a história com a mente embebida pelas Escrituras. Sabedoria é a habilidade de ver as circunstâncias através de Cristo, não o contrário. Denota ainda, amadurecer com os erros, provações e adversidades. E não menos importante, é necessário definir sabedoria como o reconhecimento de que somente em Deus, como fonte de todo saber, seremos sábios.
“Sabedoria é o presente do Espírito Santo para enxergar a vida a partir da perspectiva de Deus”. É desse modo esplêndido que Peter Davis define a sabedoria. Nada a acrescentar.
Provérbios 1:7 diz: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; mas os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução”. Portanto, temer a Deus é uma atitude sábia, obediente e submissa àquele que é onisciente e fonte de toda a sabedoria.
Saber algo não significa, necessariamente, ter sabedoria. Ser sábio, não consiste em saber algo (conhecer, ser informado). Sabedoria, aliás, diz respeito ao reconhecimento de que nada sabemos. Conforme Jó 42:3 afirma: “Quem é este que sem conhecimento obscurece o conselho? por isso falei do que não entendia; coisas que para mim eram demasiado maravilhosas, e que eu não conhecia”.  E ainda Provérbios 26:12, que diz: “Você conhece alguém que se julga Sábio? Há mais esperança para o insensato do que para ele”.

Sabedoria não se adquire nas cadeiras universitárias, tampouco nos livros de autoajuda. Vem de Deus. Reconhecer que nada sabemos já é um bom indício de sabedoria. Como Sócrates asseverou no passado: “O início da sabedoria é a admissão da própria ignorância. Todo o meu saber consistem em saber que nada sei”. Sócrates 

Provérbios 26:12 que diz:
“Vês um homem que é sábio a seus próprios olhos? Maior esperança há para o tolo do que para ele”. Há mais esperança e expectativas para um idiota ensinável do que aquele que se considera sábio.

A regra para ser sábio é não considerar-se sábio. Por isso, Tiago diz: “peça a Deus” (Tiago 1:5)! – conheço gente da roça que é mais sábio que muito catedrático. Só buscamos aquilo que entendemos não ter. Quem se considera sábio, jamais pedirá sabedoria. Pedir aquilo que Deus deseja oferecer é uma atitude sábia!
Sabedoria é Jesus Cristo! É o pão que alimenta como o maná do conhecimento de Deus, a água que lava as mazelas da alma, a luz que ilumina as obscuridades da consciência, a Palavra que suplanta o vazio e a sabedoria encarnada, enxertada na história. Como afirmou o apóstolo Paulo: Cl 2:3 “no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência”.

Jesus Cristo dissipa nossas ignorâncias; Nele somos completados e todas as lacunas da existência são devidamente preenchidas. Jesus é a fonte: “porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas” Cl 1:16-17

Não precisamos apenas de paz, de dinheiro, da ausência dos problemas e outras aparentes necessidades – mas de sabedoria, de Jesus! Sem Ele pereceremos no oceano da estupidez e sucumbiremos no abismo das incapacidades. Seremos confundidos pelos conselhos da ignorância e enredados por caminhos labirínticos. Enfim, é necessário definir sabedoria como um salto de Bungee jumping nas profundezas de Deus!

Precisamos de sabedoria
Sabedoria gera autocrítica e confere lucidez antes de agir. Quem é mais sábio, reconhece seus erros e para de culpar os outros por suas fraquezas – pede perdão.
A falta de sabedoria se reconhece nas provações e a carência de maturidade se sobressai nas adversidades (Shedd). Quando passamos por lutas, ou seja, travamos batalhas emocionais, físicas, familiares e financeiras percebemos que a sabedoria é a vacina que nos municia para tempos difíceis. Somos mais rápidos para reclamar e murmurar, do que para adorar! Jó adorou na provação (Jó 1:22.) Isso é maturidade e sabedoria.
Quantos de nós agimos assim diante das perdas, dificuldades e provações? Por isso o líder da igreja em Jerusalém e meio irmão do Senhor Jesus, Tiago, escrevendo aos cristãos sofredores diz que o que precisamos não é ausência de problemas, mas de sabedoria:
“2 Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações,
3 sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança;
4 e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma.
5 Ora, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada”. Tiago 1:2-5

Que em tempo de dúvidas a sabedoria de Deus seja nossa conselheira para a tomada de decisões. Em tempo de adversidades, seja ela a serenidade que precisamos para suportar as angústias. E em período de planejamento, seja a sabedoria uma atitude de maturidade que nos ajuda a planejar, sem procrastinar; execução, sem ativismo; equilíbrio nas projeções das expectativas com realismo, sem perder a fantasia dos sonhos. Em tempo de oração, seja ela o orvalho do céu sobre nossa cabeça e as fagulhas do caráter de Deus a chamuscar nosso procedimento.

A sabedoria que vem do alto é pura, indulgente, misericordiosa, pacifica, tratável, amiga, justa, imparcial, e não fingida. Tiago 3:17

Minha conclusão e desejos para este ano é que este novo ciclo se preencha de novos recomeços e desfechos; planos e realizações; desacertos e crescimento, avanço e expansão – como orou Reinhold Niebuhr: “concedei-nos Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguirmos umas das outras”.
Sabedoria - eu preciso!


[1] Referências: SHEDD, Russell e BIZERRA. F. Edmilson – Uma exposição de Tiago – A sabedoria de Deus. Shedd publicações, 2010 / GOMES, Marcelo - Sabedoria para viver e ser feliz. Espaço Palavra, 2011.

17 de janeiro de 2013

Veja o que a VEJA viu

"Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus ..." Apóstolo Paulo, 2ª Co 2:17a
A igreja evangélica brasileira - diferente da igreja de Cristo - está em crise: porque "pastores", como o protagonista da matéria de capa (Malafaia), lobo travestido de ovelha - como muitos por aí, marionetam o precioso Evangelho de Cristo para satisfazer suas gananciosas conquistas megalomaníacas. Está em crise por outros motivos também, tais como: sua fragilidade doutrinária, superficialidade da espiritualidade, estratagemas pragmáticos proselitistas afim de angariar seguidores para seus programinhas midiáticos. Ela é uma menininha de fraldas, pedindo mamadeira dos mercantilistas da fé e não a Noiva imaculada de Cristo. 
O Ministério Pastoral também está em crise: o que era para ser o extrato da sociedade, referência para um mundo sem Deus, tornou-se uma das classes mais odiadas pelas pessoas (políticos, policiais e Pastores). A vocação pastoral tornou-se meio de vida e a pregação da palavra um adendo à agenda daqueles que deveriam esmerar-se no estudo das Escrituras.
A imprensa está em crise: é parcial, tendenciosa e inescrupulosamente antiética. Como urubus envoltos na carniça, armam tocaias desonestas (estratégias comuns na VEJA) com o objetivo de neutralizar o avanço político e midiático dos evangélicos (dos quais não me sinto parte).

Apesar de discordar da maneira antiética e subversiva com a qual a reportagem foi elaborada (leia a revista na íntegra). Embora, ainda, sem defender as maquinações do império faraônico do Silas e sua corja, sinto-me - como muitos que conheço, talvez poucos - instigado a desmascarar as engenhosas e famigeradas formas de engano arquitetadas pelos pregadores da prosperidade na TV e esclarecer que não faço parte desse grupo chamado na matéria de pastor profissional. Já que nenhuma categoria funcional poderia qualificar a sublime tarefa confiada àqueles que foram vocacionados - não intuição ou mérito próprio - para pastorear o rebanho de Deus, como afirma 1ª Pedro 5:1-2:
"2 Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade; 3 nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho."


É importante posicionar-se contra esse pseudoevangelho pregado pelos gurus da prosperidade. Para eles, o Apóstolo Paulo seria um fracasso. O Malafaia já foi sério, mas se prostituiu com as heresias norte americanas de Kenneth Hagin, Mike Murdock e Morris Cerulo. Tal como Demas, abandonou o verdadeiro Evangelho e se perdeu. Prestará contas ao Senhor. Todavia, precisamos denunciar profeticamente (Como o fez Jesus - Mt 23; Paulo - 2ª Tm 6:10ss e outros irmãos como João que denunciou as obras dos Nicolaítas em Apocalipse.) as aberrações que enredam o povo de Deus ao engano. As obras de cada um serão expostas e provadas. Enquanto isso, precisamos pregar, ensinar, denunciar e anunciar o Reino: paz, JUSTIÇA e alegria no Espírito.
Precisamos ser a diferença e imitar o Senhor! Inclusive, denunciando as obras infrutíferas dos mercenários. João denunciou Diótrefes (utilizou boa parte da 3ª carta para falar sobre isso), senão vejamos: 

"09 Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de ter entre eles a primazia, não nos recebe. 10 Pelo que, se eu aí for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, ele não somente deixa de receber os irmãos, mas aos que os querem receber ele proíbe de o fazerem e ainda os exclui da igreja. 11 Amado, não imites o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus; mas quem faz o mal não tem visto a Deus. 12 De Demétrio, porém, todos, e até a própria verdade, dão testemunho; e nós também damos testemunho; e sabes que o nosso testemunho é verdadeiro". 

Paulo denunciou Demas, Alexandre - o latoeiro; muitos outros do seu tempo. Jesus expôs as obras dos Fariseus e religiosos hipócritas (Mt 23). Não devemos imitá-los nisso também? Vejamos o que Paulo diz em I Timóteo 1.20:
"... e entre esses Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar".

Também em II Timóteo 4:10-15:

"10 pois Demas me abandonou, tendo amado o mundo presente, e foi para Tessalônica, Crescente para a Galácia, Tito para a Dalmácia; 11 só Lucas está comigo. Toma a Marcos e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério. 12 Quanto a Tíquico, enviei-o a Éfeso. 13 Quando vieres traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, especialmente os pergaminhos. 14 Alexandre, o latoeiro, me fez muito mal; o Senhor lhe retribuirá segundo as suas obras. 15 Tu também guarda-te dele; porque resistiu muito às nossas palavras."

Sejamos profetas para denunciar o pecado e anunciar a justiça do Evangelho de Jesus a esta geração entenebrecida pelo anticristo.